Brasil: o país do futuro. Que futuro?

Por: Profª Dra. Regiane Souza Neves (Presidente e Coordenadora de Ensino Superior da Abrapee).
Currículo completo: http://www.abrapee.org.br/2014/10/presidente-e-coordenadora-de-ensino.html

O analfabetismo ainda é um grave problema educacional brasileiro. O índice de analfabetismo é um importante parâmetro para verificarmos o nível educacional de um país. Os países desenvolvidos, geralmente, apresentam índices de analfabetismo muito baixos. Encontram-se nesta situação favorável, por exemplo, os países da Europa, Japão, Coreia do Sul, Estados Unidos e Canadá. Por outro lado, os países pobres da África apresentam, infelizmente, altos índices de analfabetismo.

Segundo pesquisas do Ministério da Educação, no Brasil são 16 milhões de analfabetos, pessoas que não conseguem sequer escrever um bilhete. Já os que não chegaram a concluir a 4ª série do ensino fundamental I, somam 33 milhões, concentrados em 50% no norte e nordeste do país.

De acordo com levantamento divulgado pela Unesco, o Brasil possui a oitava maior população de adultos analfabetos. São cerca de 14 milhões de pessoas.

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), com dados coletados em 2012, mostra que a taxa de analfabetismo da população com 15 anos ou mais teve alta entre 2011 e 2012, passando de 8,6% para 8,7%.

Principais dados sobre o analfabetismo no Brasil *

- Índice de analfabetismo no Brasil: 8,3% 

- Número de pessoas analfabetas: 16 milhões (pessoas com 10 anos ou mais)

- Índice de analfabetismo na região Norte: 9,5% (pessoas com 15 anos ou mais)

- Índice de analfabetismo na região Nordeste: 16,6% (pessoas com 15 anos ou mais)

- Índice de analfabetismo na região Sul: 4,2% (pessoas com 15 anos ou mais)

- Índice de analfabetismo na região Sudeste: 4,7% (pessoas com 15 anos ou mais)

- Índice de analfabetismo na região Centro-oeste: 6,5% (pessoas com 15 anos ou mais)

* dados divulgados pelo IBGE (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Pnad) em setembro de 2014, referentes ao ano de 2013.

De 2012 para 2013 o índice de analfabetismo no Brasil caiu de 8,7% para 8,3%.

Além disso, existem os analfabetos funcionais, que são aquelas pessoas que, mesmo sabendo ler e escrever um enunciado simples, como um bilhete, por exemplo, ainda não tem as habilidades de leitura, escrita e cálculo necessárias para participar da vida social em suas diversas dimensões: no âmbito comunitário, no universo do trabalho e da política, por exemplo. Porém, os analfabetos funcionais são considerados alfabetizados e por isso, não aparecem nas estatísticas.


Créditos na imagem.