A escola encaminhou meu filho ao psicopedagogo. Por quê???

Seu filho está tendo problemas na escola, se queixa na hora das atividades e lições de casa e tem dificuldades para entender o conteúdo passado pelos professores? 
Calma!!! Você não é a única pessoa a passar por isso. 
Não há nada mais frustrante para o professor e angustiante para os pais do que se defrontar com a situação de algumas crianças que não aprendem a ler, a escrever, a calcular e realizar demais atividades no mesmo ritmo que outras. Normalmente, as crianças ou adolescentes são encaminhadas ao psicopedagogo quando apresentam dificuldades de aprendizagem. O atendimento psicopedagógico é importante por ser o primeiro encaminhamento que deverá ser feito pela escola, pois através dele haverá um diagnóstico e se houver necessidade o psicopedagogo realizará o tratamento adequado ou encaminhamento aos demais profissionais da área da saúde ou educação.
O trabalho psicopedagógico com crianças e adolescentes em idade escolar desenvolve potencialidades e aperfeiçoa as  habilidades e aprendizagens.  Inicialmente, é realizada a avaliação psicopedagógica, necessária para o psicopedagogo detectar os problemas de aprendizagem apresentados pelo paciente, bem como identificar suas causas, considerando os múltiplos fatores envolvidos no processo de aprendizagem. Durante a análise são utilizados procedimentos e testes projetivos, cognitivos, psicomotores, linguísticos entre outros. Além da anamnese que é realizada com os pais, também pode ser possível uma visita à escola. Após o período que chamamos de "diagnóstico psicopedagógico" elabora-se, então, o laudo psicopedagógico em duas vias, sendo uma para a escola e outra para os pais. Se confirmada a hipótese de dificuldade ou transtorno de aprendizagem, um plano de trabalho para tratamento psicopedagógico é elaborado e discutido com os pais. A partir daí se dá início ao que chamamos de "intervenção psicopedagógica". 
A evolução do paciente, bem como o tempo de tratamento, depende da causa e do tipo de problema diagnosticado no processo de avaliação. Seja qual for o caso, a intervenção psicopedagógica clínica visa à reabilitação do paciente, de modo que ele atinja o mais alto nível funcional possível, fazendo uso de suas potencialidades para minimizar o impacto de suas dificuldades e, desta forma, melhorar seu desempenho escolar, saindo de um estado patológico para um estado saudável de aprendizagem. 
Para os adolescentes ou jovens, o trabalho psicopedagógico pode ir além do atendimento em suas dificuldades de aprendizagem, sendo também muito significativo em orientação vocacional, pois ajuda na construção de autoconhecimento, a busca da identidade ocupacional e o projeto de vida. A orientação nesta etapa da vida pode ser muito importante, uma vez que muitos dos atendidos não têm objetivos pré-definidos, podendo desviar-se de planos e projetos para o futuro.

Texto de: Dra. Regiane Souza Neves – Presidente e Coordenadora de Ensino Superior da ABRAPEE Associação Brasileira de Profissionais e Especialistas em Educação; Diretora do CEADEH Centro de Estudos Avançados em Desenvolvimento Educacional e Humano; Doutora e Mestre em Saúde Mental com Ênfase em Psicanálise Clínica; Especialista em Educação e Legislação de Ensino; Especialista em Orientação Vocacional; Neuropsicopedagoga e Psicopedagoga; Autora dos livros: 1) Manual do Administrador Escolar: Legislação, Organização e Estrutura do Ensino; 2) Gestão da Sala de Aula - Discutindo valores: ética, moral e cidadania; 3) Desenvolvimento Educacional: um olhar psicopedagógico; 4) A Formação de Professores no Brasil.